PALÁCIO DO FIM

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

imgReginaPeduzziProtskof_7516_edited

imgReginaPeduzziProtskof_7516_edited

.

.

PALACIO DO FIM

nelson_ frame boca migotto

nelson_ frame boca migotto

Teaser - Palácio do Fim

Teaser - Palácio do Fim / Virtual

PALÁCIO DO FIM TAMBÉM EM FORMATO VIRTUAL E COM ACESSIBILIDADE

 

A encenação de Palácio do Fim, texto escrito pela renomada dramaturga canadense Judith Thompson, representou o novo desafio da Cia. IncomodeTe para a comemoração de 12 anos de atividades artísticas. Com estreia em março de 2020, em razão da crise sanitária do país, o espetáculo teve sua temporada suspensa logo após a primeira semana. Em maio de 2021 o espetáculo está de volta, de forma também virtual.

O desafio desse texto, inspirado em histórias reais, confronta a sociedade moderna sobre as possibilidades humanas durante uma guerra. Palácio do Fim apresenta três textos:  'Minhas Pirâmides' que conta a história da militar americana Lynndie England (Fabiane Severo e Sandra Possani) que ficou internacionalmente conhecida pela mídia por ser a carcereira fotografada ao lado de prisioneiros iraquianos em Abu Ghraib. A segunda cena, Nelson Diniz interpreta David Kelly em 'Colinas de Horrowdown'. O inspetor de armas britânico que tornou público, em entrevista à rede BBC, o fato de que as armas de destruição de massas no Iraque simplesmente não existiam. A terceira cena traz a atriz Liane Venturella, no texto 'Instrumentos de Angústia' interpretando Nehrjas Al Saffarh, uma mulher, mãe, e suas memórias durante a Guerra do Golfo (1990-1991).

Com produção artística de Letícia Vieira e direção de Carlos Ramiro Fensterseifer, Palácio do Fim ressignificou o espaço cênico na montagem presencial, transformando os espectadores em cúmplices de memórias, e o faz novamente nesta montagem remota. Com direção de vídeo do cineasta Boca Migotto e edição de Juan Quintáns, o espetáculo virtual traz novamente à cena, esta reflexão humanista sobre as tênues fronteiras éticas, morais e políticas que uma guerra envolve.

A trilha sonora original é do premiado músico instrumentalista e compositor, Angelo Primon e a iluminação, de Nara Maia. O artista visual Alexandre Navarro conhecido pelo seu trabalho onde sempre se destaca a fusão entre ficção e realidade, assina a cenografia.

A versão virtual traz ainda a participação da OVNI Acessibilidade Universal nos serviços de audiodescrição e intérprete de libras para o espetáculo Palácio do Fim.

 

FICHA TÉCNICA:

Texto: Judith Thompson
Tradução: Liane Venturella e Carlos Ramiro Fensterseifer
Direção: Carlos Ramiro Fensterseifer
Elenco: Liane Venturella e Nelson Diniz
Participação especial: Fabiane Severo e Sandra Possani
Trilha Sonora: Angelo Primon
Iluminação: Nara Maia
Cenário: Alexandre Navarro Moreira
Figurinos: Liane Venturella e Carlos Ramiro Fensterseifer
Adereços: Valéria Verba
Direção dos vídeos: Guilherme Carravetta de Carli
Pesquisa dos vídeos: Martina Pilau
Operação de som: Eduarda Rhoden
Técnico de vídeo: Nelson Azevedo
Divulgação: Léo Sant’Anna

Produção artística: Letícia Vieira

Arte gráfica: Jessica Barbosa
Foto: Regina Peduzzi Protskof

Produção: Cia Incomode-te-Te e Primeira Fila Produções
Realização: Galeria La Photo e Cia Incomode-Te

 

FICHA TÉCNICA DA OBRA VIRTUAL COM AUDIODESCRIÇÃO E INTÉRPRETE DE LIBRAS:

Direção de vídeo e fotografia para apresentação remota: Boca Migotto

Edição e som direto: Juan Quintáns

Produção de acessibilidade: OVNI Acessibilidade Universal

Roteiro de audiodescrição: Eliana Franco

Consultoria: Felipe Monteiro

Narração: Rodrigo Sacco Teixeira e Diana Manenti

Leitura de legendas: Diana Manenti

Montagem e mixagem: Bruno Klein

Tradução e interpretação em LIBRAS: Celina Xavier Neta

Montagem e finalização da janela: Forno FX
Produção: Primeira Fila Produções
Realização: Cia Incomode-Te

 

Duração: 90 min.

Classificação Etária: 16 anos

JUDITH THOMPSON

- Entendemos a importância artística inegável de trazer ao Rio Grande do Sul uma obra tão premiada que em 2007 recebeu o Prêmio Walter Carsen Prize e em 2008 o Prêmio Susan Smith Blackburn (EUA) além de Judith contar em seu currículo com os Prêmios: Governor General Award – em 1984 com a peça White Biting Dog e em 1989 com a peça The Other Side of the Dark; e o Chalmers Award – em 1987 com a peça I am Yours e em 1991 com a peça Lion in the Streets. Reconhecida Nacionalmente pela humanidade de seus textos trazendo à tona vozes sem espaço de fala e relatando a crueldade da violência humana contemporânea, Judith Tompson compõem a importante lista de premiados dramaturgos que estão modificando a cena teatral deste século.